Nutricionistas, PTs, espelhos e coisas afins

13 maio 2014
Os meus 57 Kgs no meu 1,70m sempre me deram muitas dores de cabeça. Primeiro porque para chegar aos 57 foi um pincel e acho que aconteceu simplesmente porque faz parte do avançar da idade. Segundo, porque não consigo passar dos 57 e começo a ficar enjoadinha dos "ah mas és tão magrinha, tu não comes?".
Não gente, eu não como, eu vivo do ar mesmo. Nem sei como é que eu ainda me aguento de pé. É realmente um  milagre.

Ironias à parte, uns quilinhos a mais eram bem-vindos e como qualquer pessoa já procurei ajuda profissional. Mas da mesma maneira que vocês devem de estar a revirar os olhos neste momento (ah e tal ela come de tudo sem engordar e ainda se queixa), as nutricionistas por onde passei fizeram mais ou menos a mesma coisa.

Consultei duas e acho que já estou vacinada. A primeira passou-me uma dieta que me fez perder ainda mais peso, e apesar de eu reclamar que ficava com fome ela insistia que tinha de ser assim. Deixei de lá ir. A segunda e mais recente, disse-me que tenho a massa gorda dentro do normal, o IMC normal, tudo dentro do normal. Recomendações: beber mais água e comer mais legumes. Oi??? e a parte do querer ganhar peso?? É cruzar os dedos e esperar que funcione? Isto não vai lá com ervas, acreditem. Mais uma desistência.

De regresso ao ginásio. Resisti a voltar ao meu ginásio do coração, o meu cutchicutchi mas que custava os olhos da cara, a roupinha do corpo e tudo mais que possam imaginar e resignei-me a um mais baratinho. 
Primeiro passo: plano de treino. Em conversa com o instructor deixei bem claro que o objectivo seria ganhar massa muscular e tonificar sem perder peso. Acima de tudo sentir-me bem e saudável mas sem perder peso. Uma semana depois chega o plano. Objectivo proposto pelo PT? Perder 3Kg. Plano de treino directamente no lixo.

Posto isto ou os PTs/nutricionistas andam a precisar de óculos e aparelhos auditivos ou preciso de mudar os espelhos lá de casa. Aviso já que no próximo comentário "tu és muito magrinha não és?", não se admirem se me sair algo como "não filho/a, isto é apenas ilusão óptica" ou "nada disso, sou apenas uma gorda disfarçada".

2 comentários:

  1. Márcia Coelho disse...:

    Eu cá sempre achei que estavas ótima!
    Essa conversa do "estás magrinha" eu conheço bem ( e sei de onde vem :)... )e não interessa nada. Pergunta antes se te sentes bem, fresca e com energia. Grande parte das vezes o comentário do "estás tão magrinha" é pura dor de cotovelo, e acontece porque a comparação no geral trás sempre alguma infelicidade. Se formos à procura dos defeitos, havemos de encontrá-los sempre. E deve ser um doa comentários que faz parte do manual: "Como fazer a outra pessoa sentir-se mal consigo própria em 10 segundos!" E como tal a jogar no lixo ainda mais rapidamente.
    Para mim o critério mais importante é mesmo o da energia, e como sei que te matas a trabalhar também sei que essa não te deve faltar assim tanto. Só ao fim do dia, como é normal depois de tanta atividade... ;)))

  1. Squaw disse...:

    :)

    Obviamente que comentários das nossas mães, tias e afins não contam. Aconteça o que acontecer, posso ter 100 quilos que elas vão achar sempre que eu não como o suficiente. Faz parte, está-lhes nos genes. :)

    Os comentários vêm essencialmente de amigos(as), colegas de trabalho e gajos completamente mentecaptos.
    A ultima que me mandaram: estava a comentar que tinha perdido peso com o esforço da mudança, resposta de um "Tu perdeste peso? Como é que tu perdes peso? Perdeste o cérebro foi?" A sorte é que eu acabo sempre por me rir com estas parvoíces. Mas nunca tinha pensado nessa perspectiva da dor de cotovelo. :) Tem a sua piada. Na próxima vez mando-o perder a barriguinha de cerveja. :)

    Energia, essa tenho para dar e vender :), basta ver pela minha agenda :D.